Fazenda Registro Velho2016-11-24T13:49:52+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Fazenda Registro Velho, Barbacena

É uma das primeiras fazendas da Estrada Real (no Caminho Novo). Na fazenda já se hospedaram muitos ilustres, tais como o Tiradentes e D.Pedro I. O local já serviu de acampamento militar por diversas vezes, tendo abrigado cerca de 6000 homens em apoio à guerra promovida contra os franceses, na então Província do RJ. A existência dela foi registrada nos diários de viagens do naturalista e viajante francês Saint-Hilaire, do cientista alemão Langsdorff e do reverendo R. Walsh. “Aprecia-se da Registro Velho um panorama agradabilíssimo. Sobre uma elevação está a casa de moradia, bem perto vê-se uma capela, e, ao pé da colina, corre o Rio das Mortes, em cuja margem se construiu uma venda. Por todos os lados veem-se campos de milho (…)”, assim registrou Auguste de Saint-Hilaire, in Viagem Pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais, 1822. “Depois de uma légua e meia chegamos ao Registro Velho, que fica às margens do rio das Velhas (sic – o correto é rio das Mortes), que nasce nesta região, onde é ainda incipiente.
Há várias casas e uma capela, que dão ao lugar aspecto de aldeia. O local é agradável e alegre, e as casas têm quase todas um aspecto simpático” (in: Diário do Barão de Langsdorff, 28/05/1824 – volume I, p. 23, Editora Fiocruz, 1997).

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/registro-velho.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/registro-e1470332040491.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/registro-velho-panoramio.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/Fazenda-do-Registro-Velho.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/antiga-iepha-INSTITUTO2.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/575027_304416656351690_1898872028_ncobertura-provisoria-caiu-2013.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/DSC01692fev2012.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/DSC016722fev2012-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/DSC_0264-1-e1480002538544.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/cobertura-caida2012.jpg” alt=””][/images]

“A casa era espaçosa, elegante e bem mobiliada, corroborando o que eu já tinha tido ocasião de verificar, ou seja, as residências do vigários estão geralmente entre as melhores do Brasil”, assim também registrou Robert Walsh (in: Notícias do Brasil, 1828-9). Erguida a 9 km do centro da cidade de Barbacena, já funcionou como posto de fiscalização do ouro e hospedaria. O casarão, de 13 cômodos, foi construído por volta do ano de 1702, em pau-a-pique, pelo bandeirante Garcia Rodrigues Paes (filho de Fernão Dias Paes); o imóvel apresenta algumas particularidades interessantes: numa das janelas frontais, uma espécie de “olho-mágico” ou 20 furos inclinados na madeira permitem a quem está dentro da casa ver quem chega, sem ser notado; num dos cômodos há um curioso alçapão no assoalho, que servia para acoitar pessoas. A Fazenda desempenhou papel importante na Revolução Liberal de 1842, quando dela saiu o grupo chefiado por Teófilo Otoni (1807-1869) para combater as tropas comandadas por Duque de Caxias

Fonte: http://www.patriamineira.com.br

[/three_fifth]