Imagem de Nossa Senhora do Rosário, desaparecida desde 1980, é devolvida à comunidade de Prados, no Campo das Vertentes

[one_half last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

O Ministério Público de Minas Gerias (MPMG), por meio da Coordenadoria das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico, promoveu na sexta-feira, 15 de junho de 2018, a devolução simbólica da imagem sacra de Nossa Senhora do Rosário à capela de mesmo nome, no município de Prados, na região do Campo das Vertentes. A imagem, subtraída da capela em 1980, foi identificada em site de leilão de objetos de arte. Realizada a perícia e constatada a autenticidade da imagem, o possuidor celebrou termo de compromisso e devolveu, de maneira espontânea, a peça, que será entregue à comunidade.

Conforme o MPMG, os bens culturais não devem ser retirados do meio onde foram produzidos ou do local onde se encontram vinculados por razões naturais, históricas, artísticas ou sentimentais. Além disso, a Coordenadoria destaca que o valor cultural de determinadas obras, como as peças sacras, está essencialmente vinculado a um local ou região particular e, sendo constatadas as origens exatas dessas peças, há necessidade de reintegrá-las aos seus locais de origem, de onde não deveriam ter saído.

Histórico
Segundo consta do Inquérito Policial nº 1092/80 (M75-C), em 24 de setembro de 1980, o padre Sebastião Cândido de Carvalho, vigário na paróquia daquele município, apresentou-se na Delegacia de Polícia de Prados, ao delegado João Filho. O sacerdote afirmou, que a Capela de Nossa Senhora do Rosário foi arrombada e furtada na madrugada daquele dia, tendo sido levadas as peças de Nossa Senhora do Rosário de madeira policromada, medindo mais ou menos 1, 20 m de altura e as outras duas, uma de Santa Efigênia e a outra de São Benedito, ambas medindo 70 cm de altura. Constatou-se que todas eram datadas do século XVIII.

Apesar dos esforços investigativos à época, as peças sacras não foram localizadas e não foi apurada a autoria do crime.

Em setembro de 2016, a Coordenadoria das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Histórico, Cultural e Turístico teve acesso a duas fotografias de esculturas de Nossa Senhora do Rosário. Uma das peças foi disponibilizada no Leilão de Dagmar Saboya, em junho daquele ano, e a outra encontrava-se no altar da Capela de Prados, na região do Campo das Vertentes.

O MPMG entrou em contato com o possuidor da peça leiloada, que encontrava-se no Rio de Janeiro. O possuidor concordou em trazer a imagem para Belo Horizonte a fim de que fosse  submetida à perícia do Ministério Público e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que ocorreu em novembro de 2017.

Após a perícia, concluiu-se que a peça sacra pertencia à Capela de Nossa Senhora do Rosário, em Prados, tendo sido comprovado que tratava-se da imagem furtada em 1980.

Nossa Senhora do Rosário

Imagem policromada de madeira, fino acabamento e pintura esmerada, medindo aproximadamente, 1,20 m de altura. Sustenta no braço esquerdo uma imagem do Menino Jesus, também de madeira policromada, porém, vestido com roupa de pano. As duas imagens têm sobre as cabeças coroas proporcionais ao tamanho delas.

Participe: 

No Blog do Patrimônio Cultural encontra-se uma relação de bens culturais que foram apreendidos durante investigações policiais ou processos judiciais. O MPMG pretende encontrar a origem desses bens, identificando os locais de onde os mesmos possam ter sido subtraídos. Para isso, a participação da sociedade é fundamental. Caso alguém identifique (e possa comprovar os fatos, especialmente por meio de fotografias) a origem das peças, favor entrar em contato com a Coordenadoria das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Histórico, Cultural e Turístico por meio do e-mail seccultural@mpmg.mp.br.

[/one_half][one_half last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_5997.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59f9.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_5990.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_5983.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_599b.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_598a.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59fa.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59f3.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59f2.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59e9.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59d6.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59d4.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59ad.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59a9.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2018/06/UNADJUSTEDNONRAW_thumb_59aa.jpg” alt=””][/images]

Entrevista com Giselle Ribeiro Oliveira, Coordenadoria das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico:

 

Matérias:

Hoje em Dia

Barroso em Dia

Diocese de São João Del Rei

Missa em Ação de graças Celebrada por Dom Gil, Arcebispo de Juiz de Fora, comemorando o regresso de Nossa Senhora do Rosário depois de 37 Anos

[/one_half]

About the Author:

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.