O Ministério Público de Minas Gerais Intermediou a entrega de dois missais e de um turíbulo à Paróquia de Nossa Senhora da Glória, situada em Passa Tempo.

Segundo a Coordenadoria das Promotorias de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico (CPPC), as três peças estavam sob a posse de um casal desde que a mãe de um deles faleceu, em 2003.

Em 2015, os herdeiros, que não sabiam informar como as peças foram adquiridas, procuraram o MPMG e manifestaram interesse em devolver ao local de origem as peças sacras, identificadas como procedentes de uma igreja católica.

A CPPC  realizou então diligências para identificar a paróquia de onde as  peças se originaram.

O MP apurou que provavelmente os missais e o turíbulo faziam parte do acervo de uma igreja da região do Sul de Minas, já que a família havia morado muitos anos em Oliveira e a matriarca teve participação ativa nas atividades da igreja e estreita relação com os párocos.

Os trabalhos indicaram ainda que os bens provavelmente procediam da Paróquia Nossa Senhora da Glória, pertencente à diocese de Oliveira

Com esses indícios, e considerando que as peças sacras cunhadas para servirem ao culto coletivo devem ser utilizadas para permitir a fruição pública, o casal assinou Termo de Compromisso concordando em entregá-las à Paróquia Nossa Senhora da Glória – que recebeu, também, orientações sobre preservação de material sacro.

Matéria original : G1 Centro-Oeste de Minas

Após 20 anos, peças sacras são devolvidas para igreja de Passa Tempo

Objetos estavam com uma família que procurou o Ministério Público e pediu ajuda para fazer a devolução.

 

Peças sacras são entregues a paróquia de Passa Tempo (Foto: Ministério Público de Minas Gerais/Divulgação)

Peças sacras são entregues a paróquia de Passa Tempo (Foto: Ministério Público de Minas Gerais/Divulgação)

Segundo a coordenadoria, os dois missais (livros litúrgicos) e o turíbulo (incensário utilizado durante a liturgia na Igreja Católica), estavam sob a posse de um casal mineiro, desde que a mãe de um deles faleceu, em 2003.
Ainda segundo a Coordenadoria, em 2015, os herdeiros que não sabiam informar como as peças foram adquiridas, procuraram o MPMG e manifestaram interesse em devolver as peças sacras ao local de origem.

Origem das peças
Foram realizadas investigações por parte do Ministério Público para que fosse identificado de onde as peças se originaram. Conforme as apurações feitas, as elas faziam parte do acervo de uma igreja da região do Sul de Minas, que a família havia morado muitos anos em Oliveira, e a matriarca teve participação ativa nas atividades da igreja e estreita relação com os párocos.

As investigações indicaram ainda que os bens procediam da Paróquia Nossa Senhora da Glória, pertencente à diocese de Oliveira. A partir disso, o casal assinou um Termo de Compromisso concordando em entregá-las à Paróquia Nossa Senhora da Glória.

Matéria original: Jornal Hoje em Dia

Peças sacras extraviadas são devolvidas à paróquia da cidade de Passa Tempo

Da Redação*
portal@hojeemdia.com.br
06/07/2018 – 18h45 – Atualizado 19h00

Turíbulo é um objeto onde se colocam os incensos durante a celebração

Turíbulo é um objeto onde se colocam os incensos durante a celebração

Três peças sacras que estavam extraviadas foram devolvidas à paróquia de Nossa Senhora da Glória, na cidade de Passa Tempo, no Centro-Oeste de Minas Gerais, pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Os objetos recuperados são dois missais, que são livros litúrgicos; e um turíbulo, objeto que recebe os incensos.

Segundo a Coordenadoria das Promotorias de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico, as três peças estavam com um casal, desde que a mãe de um deles faleceu, em 2003. Em 2015, os herdeiros, que não sabiam informar como as peças foram adquiridas, procuraram o Ministério Público e manifestaram interesse em devolver ao local de origem as peças, identificadas como procedentes de uma igreja católica.

A Coordenadoria das Promotorias de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico realizou então diligências para identificar a paróquia e descobriu que os missais e o turíbulo faziam parte do acervo de uma igreja da diocese de Oliveira, da qual Passa Tempo faz parte, já que a família havia morado muitos anos na cidade e a matriarca teve participação ativa nas atividades da igreja e estreita relação com os párocos.

Com esses indícios, e considerando que as peças sacras cunhadas para servirem ao culto coletivo devem ser utilizadas para permitir a fruição pública, o casal assinou Termo de Compromisso concordando em entregá-las à Paróquia Nossa Senhora da Glória – que recebeu, também, orientações sobre preservação de material sacro.