Por Humberto Trajano, G1 Minas — Belo Horizonte

 

Em MG, parede de mina pode ceder a qualquer momento e atingir barragem
Jornal Nacional
Em MG, parede de mina pode ceder a qualquer momento e atingir barragem

Em MG, parede de mina pode ceder a qualquer momento e atingir barragem

Autoridades estão em alerta para o possível rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais.

O rompimento é uma das possíveis consequências da ruptura de um talude, um paredão inclinado com vários degraus usado na escavação de minério. O talude está em vias de se romper, afirmou nesta segunda (20) o secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais, Germano Vieira.

Moradores foram retirados da área mais próxima à barragem em fevereiro.

Veja o que pode acontecer se o talude em mina da Vale em Barão de Cocais se romper

Veja o que pode acontecer se o talude em mina da Vale em Barão de Cocais se romper

Por quais motivos as autoridades e a Vale estão em alerta?

O rompimento do Talude Norte, um paredão, na cava da Mina de Gongo Soco pode provocar o colapso da Barragem Sul Superior, que fica a um quilômetro e meio da mina, e está em nível de segurança 3, ou alerta máximo para rompimento, desde março de 2019.

O talude vai se romper “sem dúvida”, disse o secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais, Germano Vieira. O rompimento da barragem pode acontecer caso haja um abalo com a queda do paredão, que pode provocar um gatilho para liquefação, segundo a Defesa Civil estadual.

Qual é o risco de a ruptura afetar a barragem?

Quais locais e que pessoas podem ser afetados?

A onda de rejeitos pode devastar as comunidades Socorro e Tabuleiro, que estão na zona de autossalvamento. Segundo a Vale, 458 moradores já foram retirados de suas casas desde fevereiro.

Outras seis mil pessoas estão em imóveis dentro de uma zona secundária na cidade de Barão de Cocais e têm cerca de uma hora e doze minutos para deixarem o local caso haja rompimento.

Arte mostra mapa de área de risco em Barão de Cocais — Foto: Wagner Magalhães/Arte G1

Arte mostra mapa de área de risco em Barão de Cocais — Foto: Wagner Magalhães/Arte G1

Por que o rompimento é previsto para esta semana?

Segundo o Ministério Público de Minas Gerais, um documento da Vale mostra que há uma movimentação de 4 cm por dia no talude Norteda cava da mina de Gongo Soco. Caso permaneça a velocidade de aceleração de movimentação, há possibilidade de rompimento da estrutura entre os dias 19 e 25 de maio.

Porção do talude norte que apresenta maior deformação (região em laranja) da Mina Gongo Soco — Foto: Vale/Divulgação

Porção do talude norte que apresenta maior deformação (região em laranja) da Mina Gongo Soco — Foto: Vale/Divulgação

Já se sabe como ocorrerá este rompimento?

Segundo a Defesa Civil, não é possível mensurar o tamanho da estrutura que deve ruir, nem o abalo que o desmoronamento irá provocar. Mas as autoridades trabalham com a situação mais crítica, que é o rompimento da Barragem Sul Superior.

Barragem Sul Superior na frente da imagem à direita e ao fundo o talude Norte, na cava da Mina Gongo Soco, em Barão de Cocais — Foto: Reprodução/TV Globo

Barragem Sul Superior na frente da imagem à direita e ao fundo o talude Norte, na cava da Mina Gongo Soco, em Barão de Cocais — Foto: Reprodução/TV Globo

O que é talude? Por que este rompimento pode atingir a barragem?

Talude é a estrutura da mina que foi escavada para a obtenção do minério. O local fica como um paredão inclinado com vários degraus. Já a cava é uma lagoa bem funda, onde o talude vai cair em caso de rompimento.

O rompimento do talude, segundo a Defesa Civil, pode provocar um abalo que serviria de gatilho para liquefação, e com isto a barragem, que já está em nível crítico, poderia se romper.

Onde fica Barão de Cocais?

Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais, fica a 100 quilômetros de Belo Horizonte e tem a população estimada em mais de 32 mil pessoas, segundo o IBGE. A economia do município é baseada na mineração e no turismo.

A Mina de Gongo Soco viveu seu apogeu no século XIX com a corrida do ouro na região. As ruínas da antiga exploração foram conservadas e hoje são tombadas pelo Iepha. A cidade também abriga o sítio arqueológico da Pedra Pintada, que guarda pinturas rupestres de 6 mil anos A.C.

Centro de Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais — Foto: Prefeitura de Barão de Cocais/Divulgação

Centro de Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais — Foto: Prefeitura de Barão de Cocais/Divulgação

Algo poderia ter sido feito para evitar um rompimento?

Segundo a Vale, a Mina de Gongo Soco está paralisada desde 2016. A Barragem Superior Sul está entre as dez que a Vale pretende eliminar.Ela foi construída pelo método de “alteamento a montante”. Considerado ultrapassado e menos seguro do que outras alternativas existentes, é o mesmo método usado na construção de barragens que se romperam em Mariana, em novembro de 2015, e em Brumadinho, em 25 de janeiro deste ano. Se a barragem já tivesse sido descomissionada o risco estaria eliminado.

Se barragem já tivesse sito descomissionada não haveria risco — Foto: Wagner Magalhães/Arte G1

Se barragem já tivesse sito descomissionada não haveria risco — Foto: Wagner Magalhães/Arte G1

Como é feito o monitoramento?

De acordo com a Vale, a cava da mina de Gongo Soco vem sendo monitorada 24 horas por dia de forma remota, com o uso de radar e estação robótica capazes de detectar movimentações milimétricas da estrutura, além de sobrevoos com drone.

O vídeo-monitoramento é feito em tempo real pela sala de controle em Gongo Soco e no Centro de Monitoramento Geotécnico (CMG) — quatro equipamentos estão localizados na sala de controle em Gongo Soco e outros dois no CMG.

O que dizem as autoridades?

Governador Romeu Zema (Novo)

O governador Romeu Zema (Novo) disse que a angústia vivida pelos moradores de Barão de Cocais e pelo estado como um todo é ainda pior do que o fato em si.

“Eu diria que o momento que nós estamos vivendo, neste pós-Brumadinho, é o pior possível. Todos aqui sabem, já vivenciaram isso, que pior do que um fato ruim é a possibilidade de um fato ruim acontecer. Nós, seres humanos, simplesmente não sabemos viver com incerteza. Isso nos causa uma angústia enorme”, falou o governador em evento na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

Secretário de Meio Ambiente, Germano Vieira

O secretário de Meio Ambiente de Minas Gerais, Germano Vieira, disse nesta segunda-feira (20) que a probabilidade de a barragem da mineradora Vale em Barão de Cocais se romper é de 10% a 15%. O secretário confirmou, ainda, que o talude, que está a menos de 2 km da barragem, vai se romper, sem dúvida.

“O rompimento do talude vai acontecer. Há uma questão imponderável se esse rompimento do talude na cava, se ele vai afetar a barragem. Isso não é possível precisar. Adianto para vocês que o consultor desta auditoria independente, que é uma empresa estrangeira, registrou que esta chance é de uma em dez ou uma em oito. O que levaria de 10% a 15% de probabilidade”, disse o secretário.

Ministério Público

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) expediu na última quinta-feira (16) recomendação à Vale para que a mineradora mantenha a população de Barão de Cocais informada sobre os riscos, danos e impactos de um possível rompimento da Barragem Sul Superior. O MPMG recomendou, ainda, que a mineradora forneça apoio logístico, psicológico, médico, além de alimentação às pessoas que podem ser atingidas.

De acordo com o tenente José Ocimar, da Defesa Civil, o talude segue se movimentando. “Agora, preocupação nossa é como esse deslizamento vai impactar ou não a Barragem Sul Superior”, afirmou, Ainda conforme o tenente, somente se ocorrer o rompimento da barragem, as sirenes serão acionadas e será feita a evacuação da zona de segurança secundária