Estação de Miguel Burnier2016-11-23T13:19:56+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Estação de Miguel Burnier

Segundo Waldemar de Almeida Barbosa a Estação de Miguel Burnier foi inaugurada em 17 de junho do ano de 1884. O nome foi dado em homenagem ao engenheiro Miguel Noel Nascentes Burnier, diretor da Ferrovia naquele ano.
A edificação, assim como tantas outras no Brasil, estava em progressivo arruinamento, embora inventariada e em processo de tombamento municipal. Diante disso, em 01 de dezembro de 2009, o Ministério Público Estadual em conjunto com
o Ministério Público Federal acordaram com Município de Ouro Preto a salvaguarda da Estação de Miguel Burnier.
No dia 10 de novembro de 2012 o imóvel foi devolvido à comunidade, que, enfim, pode usufruir o espaço totalmente restaurado, que passou à sede do Projeto Estação Cultura.
O imóvel foi, então, integrado ao cotidiano da comunidade como sede do Centro Comunitário, que é utilizado para ensaios da banda de música e coral, reuniões comunitárias e serviços sociais prestados pelo Município de Ouro Preto. Assim, retomada a sua função social, a propriedade tornou-se local de uso coletivo, como deve ser um bem cultural.

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Miguel-Burnier-antes.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Miguel-Burnier-antes2.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Miguel-Burnier-restaurada.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Miguel-Burnier-restaurada2.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/001-Logomarca-PEC-Miguel-Burnier.jpg” alt=””][/images][/three_fifth]