Estação Ferroviária de Campanha2016-11-23T12:19:44+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Estação Ferroviária de Campanha

A Estação Ferroviária de Campanha (central) data de 1894, época em que foi construído o ramal, que saía de Freitas e atingia Campanha. De acordo com a Ficha de Inventário, o trecho até a cidade foi construído pelo escritor e engenheiro Euclides da Cunha, que se encontrava em Minas Gerais executando obras para alojar o 8º Regimento de Cavalaria do governo de
Marechal Floriano Peixoto.
O Município reconheceu o valor cultural do imóvel e o protegeu por meio de tombamento em agosto de 2005 – Decreto nº 3.890/05, contudo permitiu que a edificação fosse abandonada e invadida, atingindo Hoje, felizmente, a paisagem urbana campanhense foi alterada coma conclusão das obras de restauração do bem cultural ferroviário.

Em 1º de dezembro de 2009, chegou-se a acordo com o Município, visando à restauração, proteção e promoção do bem cultural ferroviário. Assim, a estação foi inaugurada em 16 de maio de 2014, passando a sediar o Espaço Sociocultural Comendador Dr. Nilton Val Ribeiro, local de desenvolvimento social e cultural a comunidade campanhense. As imagens  comprovam a precariedade do imóvel e seu processo de arruinamento, antes das obras de restauração.

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/campanha-antiga-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/campanha-Copia.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/DSC02693.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Estação-campanha-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Estação-hoje-5.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Estação-campanha-2.jpg” alt=””][/images][/three_fifth]