Estação Velho da Taipa2016-11-23T13:49:24+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Estação Velho da Taipa

A Estação Ferroviária Velho da Taipa está situada no município de Conceição do Pará e se trata de um dos remanescentes da Estrada de Ferro Oeste Minas (EFOM) 19/12/2008. Foi inaugurada no ano de 1891 e recebeu o nome em homenagem a Antônio Rodrigues Velho, conhecido também como Velho da Taipa. Antônio Rodrigues Velho foi um dos primeiros bandeirantes a chegar a Pitangui, após a Guerra dos Emboabas. O acordo foi assinado em 19 de dezembro de 2008 para que o Município o restaurasse o imóvel e o destinasse para fins compatíveis com sua natureza arquitetônica e cultural. A edificação se encontrava em desuso e totalmente abandonada, apesar de seu inequívoco valor cultural. Após restauração, o prédio passou a sediar Estação Cultural, cujo espaço é utilizado para realização de eventos culturais (dança, teatro, apresentações musicais, cursos, palestras, apresentações de tradições populares, exposições de pintura, artesanato, esculturas, fotografias, projeções de filmes, visitas turísticas). De acordo com o Departamento Municipal Cultura e Comunicação, o projeto Estação Cultural nasceu da vontade de difundir a cultura no Município de Conceição do Pará como meio de desenvolvimento social.
O imóvel restaurado passou a integrar, consequentemente, os pontos turísticos do município e região.

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Velho-do-taipa-antes1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Velho-da-Taipa-antes.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Velho-da-taipa-antes-2.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Velho-da-Taipa-restaurada.jpg” alt=””][/images][/three_fifth]