Ponte Marechal Hermes2016-11-23T14:08:08+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Ponte Marechal Hermes

Ponte Marechal Hermes, com sua imponente estrutura metálica, emoldurada sobre as águas do Velho Chico, é considerada o cartão postal da região, além de ser a principal via de acesso entre os municípios de Pirapora e Buritizeiro. A ponte compõe a belíssima paisagem formada pelo Rio São Francisco e pelo barco a vapor Benjamim Guimarães. Os três, juntos, formam um cenário singular que encanta aos turistas que visitam a região norte de Minas.

Segundo consta do Processo de Tombamento do pontilhão, sua inauguração se deu no ano de 1922, com a presença do então presidente eleito, Epitácio Pessoa, do Presidente da República, Artur Bernardes, e de Raul Soares, governador do Estado de Minas Gerais. O evento significava a realização do sonho de transpor o Rio São Francisco e, logo, a chegada do progresso para região. A estrutura férrea é, também, objeto de concessão para a Ferrovia Centro Atlântica, que, após inúmeras reuniões se recusou a celebrar acordo com o Ministério Público, visando à manutenção e restauração da ponte.

Assim, foi proposta a ACP nº 006504-89.2014.8.13.0512, na qual se obteve êxito na concessão do pedido liminar, que consiste na condenação da FCA em cumprimento de obrigação de fazer consistente realizar a recuperação completa das duas passarelas laterais, com a substituição de todas as tábuas do piso por madeira tratada contra insetos e fungos e substituição e fixação dos parafusos necessários. A situação atual do pontilhão é lamentável e agride a paisagem, que tem as águas do São Francisco como um dos elementos naturais mais significativos não só para a comunidade local, mas para todos os mineiros.

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Ponte-Marechal-Hermes-interditada.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Ponte-Marechal-Hermes.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Marechal-hermes.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Marechal-hermes-Gervaso.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Marechal-hermes-Gervaso1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/08/Marechal-hermes-1.jpg” alt=””][/images][/three_fifth]