Capela de Nossa Senhora Auxiliadora de Calastróis2016-11-24T12:12:15+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Capela de Nossa Senhora Auxiliadora de Calastróis
Miguel Burnier

O Conjunto arquitetônico e arqueológico da Capela de Nossa Senhora Auxiliadora de Calastróis é composto pela capela e seu adro, a casa do vigário com o anexo e pátio interno, o coreto, um cemitério mais recente (séc. XX 1º metade) e um cemitério mais antigo (séc. XVIII), sendo esta estrutura arquelógica remanescente dos primórdios do povoado de São Julião. Este conjunto está localizado a sudeste do núcleo urbano do distrito de Miguel Burnier e, infelizmente, está em estado de abandono. Calastróis é o nome do córrego que passa no pé do morro, em cujo topo está a capela.

Conforme relatos históricos extraídos do Livro do Tombo, a atual Capela de Nossa Senhora Auxiliadora de Calastróis foi erguida no início do século XX, a partir as ruínas de uma capela dedicada a São Julião. Esta foi ereta no século XVIII e seu local de construção bento por Frei Ambrósio, em 1749, após devidas licenças de Dom Frei Manoel da Cruz, bispo de Mariana à época, e do vigário de Vila Rica.

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/MIGUELBURNIER01.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/MIGUELBURNIER02.jpg” alt=””][/images]

Já em 1842, o templo cairia em seu primeiro abandono, em meio aos conflitos havidos na região durante a Revolução Liberal de 1842, e depois de ter sido interditado ao culto devido a um suporto assassinato nele ocorrido. Sem funções por pelo menos meio século e exposto à ação do tempo, sobreveio à ruína restando apenas as paredes de pedra e o frontispício.
Coube a Sra. Alice da Silveira Wigg o feito de reabilitar a antiga Capela de São Julião ao culto em abril de 1904. Em cumprimento a uma promessa, reconstruiu o tempo, dando-lhe porém, novo aspecto, como a inclusão de torre lateral e, por uma devoção especial, dedicou-o a Nossa Senhora Auxiliadora.

Fonte: Marcas Históricas Miguel Burnier – Ouro Preto / Alenice Baeta, Henrique Piló (org) – Belo Horizonte: Gerdau, 2012 – 207

[/three_fifth]