Chácara do Passa-Dez, Jardim Botânico – Ouro Preto2016-11-24T11:27:01+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Chácara do Passa-Dez, Jardim Botânico
Ouro Preto

O Jardim Botânico situa-se em um bairro denominado Passa-Dez de Cima, Ouro preto, MG, sendo criado pela coroa portuguesa e inaugurado em 2 de setembro de 1825. Tinha por determinação real, o objetivo de cultivar espécies nativas e exóticas, como a amoreira, para a criação de bicho-da-seda e o chá-da-índia. Na década de 1840 há registros de que o Jardim Botânico ainda estava em funcionamento, com plantações de chá. O Jardim Botânico contava com uma sede administrativa, toda construída de Pedras, com ampla varanda na frente, salas enormes, quartos espaçosos e outras dependências, que recebeu governadores da capitania e presidentes da Província, que repousavam no local.

No final do século XIX, o Jardim Botânico apresentava-se em decadência, transformado em paiol e refugio de lazarentos, por estar situado distante da cidade. Hoje, ainda restam ruínas do antigo Jardim Botânico de Vila Rica, tendo essa região um grande contexto histórico-cultural. Além disso, essa área possui um grande potencial ambiental, por estar circundada de unidades de conservação (UC), em especial a APA Estadual Cachoeira das Andorinhas e Estação Ecológica do Tripuí.

Fonte: Departamento de Meio Ambiente da Fundação Gorceix – Estudos técnicos para criação da Unidade de Conservação Monumento Natural Jardim Botânico

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/1928-31-Horto-Botânico.-Wasth-fonte-1-e1479993867848.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/1798-Mapa-Horto-Botanico.-Manuel-Ribeiro-Guimarães.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/2004-Chafariz-JB-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/DSC04884-e1470076387615.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/07/DSC04853-e1470077377932.jpg” alt=””][/images][/three_fifth]