Fazenda Campos Gerais2016-11-23T17:48:58+00:00
[two_fifth last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””]

Fazenda Campos Gerais, Resende Costa

Localizado no município que hoje tem o nome em homenagem ao citado inconfidente, o conjunto de vestígios arqueológicos evidencia um acervo que deve ser preservado tanto por seu contexto histórico de origem – a sociedade mineira colonial – quanto por sua inserção no movimento da Inconfidência.
Através de uma articulação regional que envolveu diferentes categorias como religiosos, fazendeiros, militares e burocratas, a Inconfidência Mineira ainda hoje apresenta pontos ou aspectos a serem esclarecidos através de pesquisas tanto documentais quanto arqueológicas.
Cabe ressaltar que tais pesquisas poderão contar com um imenso acervo no qual se destacam três tipos de fontes: documentais, arqueológicas e arquitetônicas. No primeiro caso cabe destacar o grande acervo de documentos presentes em arquivos brasileiros, e portugueses à disposição dos pesquisadores.

No segundo caso é necessário lembrar o expressivo número de sítios arqueológicos remanescentes de contextos (rurais e urbanos) ligados ao movimento de rebelião: fazendas, lavras, edificações urbanas, etc. Finalmente, o grande número de edificações ainda preservadas e que constituem um conjunto relevante de informações a serem avaliadas/interpretadas.
É nesta perspectiva mais ampla que se insere a necessidade de preservação do sítio arqueológico – a Fazenda Campos Gerais – e de realização de pesquisas que permitam disponibilizá-lo para o público enquanto patrimônio coletivo.

Fonte: Laboratório de Arqueologia da Fafich/UFMG

[/two_fifth][three_fifth last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=””][images picture_size=”auto” hover_type=”none” autoplay=”no” columns=”1″ column_spacing=”13″ scroll_items=”” show_nav=”yes” mouse_scroll=”no” border=”yes” lightbox=”yes” class=”” id=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/fazenda_Campos_Gerais-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/Fazenda-Campos-Gerais-final-thais-2-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/Fazenda-Campos-Gerais-2-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/Fazenda-Campos-Gerais-3-1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/Fazenda-Campos-Gerais1.jpg” alt=””][image link=”” linktarget=”_self” image=”http://patrimoniocultural.blog.br/wp-content/uploads/2016/06/Fazenda-Campos-Gerais-final-thais-2-2.jpg” alt=””][/images][/three_fifth]